Gestão de crises é a metodologia administrativa que tem como objetivo reduzir os prejuízos que imprevistos trazem para o negócio. Seu principal papel é antecipar e gerenciar disrupturas nos processos empresariais, que colocam o funcionamento das empresas em risco.

O que é gestão de crises?

Original da comunicação, o conceito pode ser aplicado a todos os setores. Inicialmente, uma disciplina da assessoria de imprensa tem como principal objetivo administrar crises que mancham a credibilidade de uma marca.

Hoje, o conceito diz respeito a uma gama de processos executados para garantir a contínua operação das empresas. Quando TI se tornou setor crítico para os processos de negócios, a gestão de crises passou a fazer parte do vocabulário de CIOs.

A seguir, entenda como colocá-la em prática.

Como aplicar a gestão de crises no setor de TI?

1. Implemente o diagnóstico de riscos

O diagnóstico de risco nada mais é do que antecipar prováveis crises. Raros são os casos em que essas situações surgem do nada. Na maioria das vezes, as vulnerabilidades já são conhecidas pela organização, que deixa de agir proativamente.

Cada um de seus departamentos têm processos mais ou menos arriscados, que dependem da TI. Avalie os tipos de ameaça, qual a probabilidade delas se tornarem reais e quais são as consequências de uma crise.

Por exemplo, você provavelmente usa um sistema para administrar o estoque de produtos. A cada atualização, esse sistema fica indisponível por um período de cinquenta minutos. Caso haja uma queda de energia, porém, essa indisponibilidade pode se estender por algumas horas.

Que tipo de impacto isso teria para o negócio? Quanto tempo seria preciso para colocar a casa em ordem? E se, durante a interrupção de energia, as informações que já se encontravam no sistema forem apagadas?

Uma situação simples como essa pode se transformar em crise, se o departamento não tiver protocolos de contingência.

2. Elabore protocolos de contingência

Ok, você já foi informado que, para lidar com uma crise, é preciso possuir um protocolo de contingência. Mas o que isso significa? Um protocolo de contingência é o conjunto de ações de resposta, a serem providenciadas no caso de uma crise se instaurar.

São os passos a serem seguidos pela equipe para dirimir as consequências da crise em si. No nosso exemplo, poderia ser finalizar a atualização dos sistemas e restaurar o backup mais recente.

Em crises mais complexas, ou caso um backup não seja localizado, medidas adicionais podem ser necessárias. Cada cenário deve, portanto, ter um protocolo de contingência adequado à crise em questão.

3. Identifique prioridades

Depois de prever os cenários de crise prováveis e determinar protocolos de segurança, é hora de começar a agir para evitá-las. Já temos a garantia de que você saberá lidar com elas, mas o melhor é que não cheguem a acontecer, certo? Com diagnóstico e protocolos em mãos, será possível determinar prioridades.

Quais setores têm maior probabilidade de sofrer com imprevistos? Esses são setores essenciais para suas operações? Identificar o grau de cada risco é imprescindível para a sobrevivência do negócio e vai orientar você sobre qual deles deve ser priorizado no processo de otimização.

4. Audite e otimize

Agora que conhecemos os riscos e os separamos por prioridades é hora de agir proativamente. Ações proativas são aquelas que colocamos em curso antes de sofrer as consequências da negligência.

Vá auditando os processos de setores prioritários ao longo das operações, programando manutenções preventivas e organizando backups de todos os sistemas utilizados. Comece por operações de risco e termine nas mais simples.

Quanto mais bem encaixados estiverem seus processos de negócios, e quanto melhor integrados forem os sistemas fundamentais para operar, melhor.

Sua TI pode trabalhar tranquila e os demais departamentos também.

5. Invista em monitoramento

Softwares de monitoramento são aqueles que verificam a qualidade dos módulos utilizados por sua empresa. Eles avaliam a qualidade das redes, performance de máquinas e enviam alertas para o administrador dos sistemas caso qualquer um deles apresente anomalias.

Monitorar ativamente seus sistemas será um investimento inteligente, pois ajudará a poupar no futuro. Com monitoramento sua TI sabe quando, como e onde agir antes que uma crise apareça.

Gostou dessas dicas para gestão de crises no setor de TI? Então não se esqueça de deixar seu comentário!