Só na última edição da Black Friday, em novembro de 2016, o comércio eletrônico movimentou R$1,9 bilhão no país. Esse é um sinal mais do que claro de que não só os brasileiros estão deixando de lado o medo das transações on-line, mas também de que é fundamental reforçar, cada vez mais, a política de segurança das lojas virtuais.

Neste post, vamos mostrar algumas dicas de segurança para e-commerce que podem fazer a diferença para a competitividade de qualquer site. Confira abaixo!

1. Certificado digital SSL

O famoso “cadeado dourado” que aparece na barra de endereços é conhecido como certificado Secure Socket Layer (SSL). Basicamente, o SSL cria um canal criptografado entre o servidor e o browser para assegurar o sigilo de todos os dados enviados.

A vantagem do SSL é que ele é de fácil aferição por parte do usuário, que passa a ter certeza da segurança do website.

SSL EV

Muitas vezes, o SSL não é suficiente para se evitar fraudes diversas e a cada dia mais “criativas”.

Para impedir a prática do phishing, por exemplo, quando uma página falsa é sobreposta à página oficial, o SSL EV (Extended Validation) tem se mostrado mais eficaz e rigoroso. No entanto, para obtenção desse selo, é exigido que a empresa se submeta a uma série de testes.

2. Autenticação de dois fatores para administradores

A chamada autenticação de dois fatores, ou 2FA, é uma forma de autenticação que executa a verificação do usuário com base em alguma informação que somente ele tem.

Um 2FA bastante conhecido e utilizado pelas agências bancárias é o token, que gera códigos de autenticação em intervalos pré-determinados, informação complementada com a senha do usuário.

3. Blindagem de sites de comércio eletrônico

A blindagem de sites faz a proteção de portais contra eventuais hackers, malwares, roubos e clonagem de cartões de crédito. Esse sistema apresenta várias camadas de proteção, em função do nível de exposição de determinado site. Lojas virtuais, por exemplo, requerem níveis de blindagem superiores a sites de nicho.

4. Medalha Ebit

Outra certificação que eleva o grau de confiabilidade de um site — até porque também é bastante conhecida pelos usuários — é o selo Ebit.

A Ebit é uma empresa que disponibiliza — com o atrativo de brindes, descontos e sorteios — um criterioso sistema de avaliação para o consumidor assim que ele realiza uma compra. As mais de 7 mil lojas virtuais afiliadas são classificadas como diamante, ouro, prata e bronze.

Atualmente, os consumidores estão mais exigentes com relação aos e-commerces, ou seja, querem mais garantias de que sua privacidade não será invadida.

Ao adotar todas as dicas de segurança mostradas acima, ou, pelo menos, algumas delas, o risco de bugs que venham a causar prejuízos ao negócio é minimizado.

Portanto, o ideal é que você avalie a relação entre custo e benefício desses dispositivos para o seu sistema e, acima de tudo, esteja sempre prevenido de ataques hackers, que se renovam a cada dia.

E então, este post resolveu suas dúvidas sobre como intensificar a segurança no comércio eletrônico? Gostaria de acompanhar mais assuntos como esse? Aproveite para nos seguir nas redes sociais!